... Cadernos :: edição: 2007 - N° 29 > Editorial
 
Editorial

Na 29ª edição, a Revista Educação Especial está constituída de uma coletânea de artigos que buscam aprofundar questões teórico-práticas relativas à área de conhecimento da educação especial, abordando temas relacionados ao trabalho colaborativo no contexto da educação inclusiva, à formação docente e as relações interpessoais estabelecidas nesse processo, e às experiências educacionais com alunos com deficiência mental, autismo, surdez e altas habilidades/superdotação.

A relevância dessa produção tem como eixo a necessidade de veiculação de estudos e pesquisas sobre a educação especial e sua prática educativa, tendo em vista a tentativa de configuração de pilares que sustentem a prática educacional inclusiva. Assim, a disseminação de conhecimentos produzidos na área da educação especial pretende problematizar concepções, indicar possibilidades de atuação pedagógica e, sobretudo, socializar conhecimentos que contribuam ao processo formativo dos profissionais envolvidos com a educação.

O artigo “Parceria colaborativa: descrição de uma experiência entre o ensino regular e especial”, de autoria de Enicéia Gonçalves Mendes, Maria Amélia Almeida, Zilda Aparecida Pereira Del Prette e Bárbara Carvalho Ferreira, objetiva descrever a experiência colaborativa de ensino desenvolvida junto a um aluno com deficiência visual. Esta produção investe no trabalho colaborativo e em parceria dos professores do ensino regular e da educação especial, indicando caminhos para a reorganização da prática educacional na concepção da educação inclusiva e lançando alternativas pedagógicas que considerem a heterogeneidade presente no grupo dos estudantes.

“Compreendendo o paradigma da inclusão”, de Ângela Coronel da Rosa, busca realizar uma discussão acerca do paradigma da educação inclusiva, problematizando a proposta de educação para todos, inter-relacionada ao desenvolvimento do pensamento humano, considerando os conceitos fundamentais da física quântica. Sua proposição teórica tem em vista descortinar conceitos como a auto-avaliação e auto-crítica e sua relação com o processo de ensino-aprendizagem.

Por vez, Viviane Preichardt Duek, com o artigo “Um olhar sobre a deficiência/diferença na escola inclusiva”, apresenta o relato de pesquisa que teve como intenção investigativa abordar as representações dos professores do ensino fundamental acerca dos alunos com necessidades educacionais especiais incluídos em uma escola pública de Santa Maria/RS. Seu estudo aponta para a relação que há entre o imaginário do professor sobre a deficiência de seu aluno e a repercussão desta no processo de ensino-aprendizagem.

“Indivíduos com deficiência e mediação em leitura: reconstruindo identidades”, de autoria de Silvia Roberta da Mota Rocha, Jussara Guimarães Alves e Hellen Sâmara Farias das Neves, trata-se de uma investigação que pretendeu analisar os processos socais de reconstrução da identidade de indivíduos com deficiência ao atuarem como mediadores do processo de aquisição da leitura por seus pares. Seu trabalho indica que o processo de leitura articula em si uma prática pedagógica inclusiva, na medida que auxilia na construção da identidade desses sujeitos e no desenvolvimento de suas competências.

A autora Lenir Santos Schettert, no artigo “Reflexão sobre as interações sociais: pessoas idosas com deficiência mental”, com auxílio dos pressupostos teóricos vigotskyanos e wallonianos, buscou discutir questões relacionadas às condições de vida e às interações sociais das pessoas com idosas com deficiência mental. Seu estudo aponta a necessidade de ampliação de pesquisas e estudos que contemplem este público como foco de análise.

O artigo “Situação atual do projeto de pesquisa: perturbações do espectro de autismo – perfil do alunado e intervenção educacional na rede pública do Distrito Federal, de autoria de Tânia Maria de Freitas Rossi e Erenice Natália Soares Carvalho, objetiva discorrer acerca dos processos investigativos realizados sobre a inclusão de pessoas com perturbações do espectro do autismo e a prática formativa docente na área da educação especial.

“Escola para surdos: território de agenciamento cultural”, das autoras Vanise Mello Lorensi e Melânia de Mello Casarin, detém-se na investigação acerca das contribuições da educação infantil da Escola Estadual de Educação Especial Dr. Reinaldo Fernandes Coser, para o desenvolvimento de alunos surdos pertencentes às famílias ouvintes. A pesquisa aponta para a importância do papel da escola para a aquisição de língua de sinais e da importância da interação entre estes sujeitos para a construção da identidade surda.

“PIT – Programa de Incentivo ao Talento: um relato das experiências pedagógicas realizadas com alunos com características de altas habilidades”, de Caroline Corrêa Fortes e Soraia Napoleão Freitas, busca retratar as experiências pedagógicas vivenciadas pelas autoras em projetos de pesquisa que tem como foco de estudo os alunos com características de altas habilidades/superdotação, seu desenvolvimento e seu processo de escolarização. Estas experiências demonstram a importância da relação estabelecida entre escola e universidade no processo formativo docente e na construção de saberes pedagógicos experenciais.

Por vez o artigo “A satisfação profissional, as relações interpessoais e a auto-estima do professor”, dos autores Cláudia Terra do Nascimento, Vantoir Roberto Brancher e Valeska Fortes de Oliveira, busca lançar reflexões conceituais e teóricas acerca da relevância da auto-estima como contribuinte da satisfação profissional do professor e no processo de relação interpessoal com o aluno.

Diante da produção exposta, indico a leitura desta edição da Revista Educação Especial, já que esta contempla diversos conceitos e práticas educacionais que servem de sustentação para a articulação da educação comum e a educação especial, tendo em vista a consolidação da proposta de educação inclusiva. Agradeço aos autores as contribuições e desejo que a leitura destes artigos auxilie no processo formativo dos profissionais da educação envolvidos com a educação especial.

Soraia Napoleão Freitas
Presidente da Comissão Editorial

 


.