... Edição: 2006 - Vol. 31 - No. 02 > Editorial > Índice > Resumo
 
Bachelard e a experiência poética como dimensão educativa da arte

Sandra Richter*
.

Para interrogar que “imaginação” é essa que promove a propalada “criatividade” enquanto fenômeno que especifica – e justifica – a inserção da arte na educação, o estudo detém-se na fenomenologia bachelardiana da formação das imagens na leitura poética a qual promove a abertura para o estudo da imaginação – a partir do ponto de vista da imaginação material – em seu poder de metamorfosear imagens que engendram o acontecimento da linguagem. Aprofundar estudos sobre a complexa relação entre corpo, imagem e palavra torna-se estratégia para pensar a especificidade que envolve processos de criação plástica e o dilema da dimensão educativa da arte: o que afinal aprende-se em arte? A importância do pensamento de Gaston Bachelard para o campo de estudos da Educação e Arte emerge da afirmação que a aprendizagem em arte se caracteriza por viabilizar, a partir da diversidade das manifestações do tempo nos processos de criação, a experiência da metamorfose. A experiência poética ensina ao pensamento – e à pedagogia – a lidar com as temporalidades simultâneas que exigem a tomada de decisão de iniciar um gesto no mundo. É da dimensão poética da arte arriscar-se a configurar instantes que revivificam entusiasmos que duram no corpo porque promovem a confiança que engendra a determinação do agir em linguagens para configurá-los.

Palavras-chave: Tempo. Devaneio Operante. Gaston Bachelard.

 
* Doutora em Educação pela UFRGS. Professora adjunta do Departamento de Educação da Universidade de Santa Cruz do Sul- UNUISC.Membro do Grupo de Estudos Poéticos – UNISC e do GEARTE- UFRGS.
 
Ler artigo
View abstract

.